CEAST aborda desenvolvimento sustentável

Governantes, governados, especialistas nacionais e internacionais encontram-se reunidos na Semana Social Nacional iniciada terça-feira, 22 de janeiro, em Luanda, a fim de, em três dias, apresentarem contribuições para o combate à pobreza e influenciar as políticas de desenvolvimento sustentável do país.

Sob o lema O Desenvolvimento sustentável do país, a Semana Social Nacional é uma organização conjunta da Conferência Episcopal em Angola e São Tomé (CEAST) e o Instituto para a Cidadania Mosaico que pretende recolher contribuições para enriquecer as acções do Plano de Desenvolvimento Humano levado a cabo pelo Executivo, com base na implementação dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável estabelecidos pela Organização das Nações Unidas.

A Semana Social é também um espaço eclesial para ajudar os cristãos a assumir o seu papel na promoção de um desenvolvimento sustentável em Angola.

Na abertura da actividade, o presidente da CEAST, Dom Filomeno Vieira Dias, valorizou a cultura de encontros por resultar numa confluência dos caminhos a seguir para a satisfação das necessidades prementes da sociedade.

Por sua vez, o investigador do Centro de Estudos Internacionais, Rogério Roque Amaro considerou o desenvolvimento sustentável  um dos maiores  desafios da humanidade, por se tratar da continuidade da vida e da dignidade humana.

Alertou para que se cuide da biodiversidade, tendo em conta a riqueza dos recursos naturais existentes, sujeitos aos interesses económicos.

Avançou que existem imensos desafios que exigem de todos os angolanos uma caminhada conjunta para que se evitem catástrofes.

Cento e noventa e três países assumiram, a 25 de Setembro de 2015, o compromisso dos 17 Objectivos de Desenvolvimento Sustentável, com uma lista de tarefas para cada um, com vista a um desenvolvimento social e económico de modo sustentável.

A primeira edição da Semana Social Nacional, com o tema” Educação para uma cultura de paz”, foi realizada em 1999.

O evento acontece de quatro em quatro anos. Esta é a 6ª edição.                                                               Angop

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *