Suiça: John Mbiti um dos pais da teologia africana já descansa

John Samuel Mbiti, teólogo e escritor de renome internacional, morreu aos 87 anos de idade, na Suíça, vítima de doença. Filósofo das religiões e de fama internacional, é cristão anglicano e eminente professor. “É um precursor que trouxe a teologia africana para a teologia ecumênica mundial”, de acordo com a homenagem do Rev Dr Olav Fykse Tveit, Secretário Geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI

Muitos líderes religiosos, acadêmicos, estudantes e pessoas comuns no Quênia, sua terra natal mas também na Suíça e em todo o mundo, lamentaram, de facto, o desaparecimento físico do Professor John Samuel Mbiti.

Uma figura incontornável

Um especialista reconhecido em “teologia africana”, o Padre Bénézet Bujo, que era professor comum de teologia moral, ética social e teologia africana na Universidade de Fribourg (Suiça), está familiarizado com o trabalho desse pioneiro. Ele também dedicou um capítulo de seu livro African Theology no século XXI. Algumas figuras (Volume III, Academic Press Fribourg, 2013).

John Samuel Mbiti certamente não foi o primeiro a falar da possibilidade de uma teologia específica para o continente africano. Mas, observa Bujo, nenhum estudante de teologia africana deve ignorar os livros de Mbiti ao final de sua formação acadêmica, incluindo seu trabalho principal, Religiões e Filosofia Africanas.

John Samuel Mbiti, nasceu de uma família de camponeses no Quênia e estudou na Universidades de Makerere, Uganda, e depois no Barrington College, Estados Unidos da América antes de obter um doutoramento do Novo Testamento.

Em 1963 fez os estudos na Universidade de Cambridge, no Reino Unido e ensinou religião e teologia na Universidade de Makerere: Foi de 1974 a 1980, Diretor do Instituto Ecumênico de Bossey pertencente ao Conselho Mundial de Igrejas (CMI). Também foi foi professor associado em várias universidades ao redor do mundo e publicou vários livros sobre filosofia, teologia e tradições orais africanas. Durante a reforma, John Mbiti, que conhecia perfeitamente o grego original no qual o Novo Testamento tinha sido escrito, traduziu o Novo Testamento do grego para o kikamba, sua língua materna.

WCC News

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *